Bullet Journal • 07/11/2017

#bujo – Bullet Journal: O que é e pra que serve

Tudo começou em uma lojinha na Liberdade, em São Paulo, enquanto eu visitava a cidade e encontrava a queridíssima Priscila Darre. Ela me disse “preciso achar uns post its” e entramos em uma das inúmeras lojas do bairro que parecia promissora na busca. Perguntei para quê eram, e ela me explicou “para o meu bullet journal”. Eu quis saber o que era e ela resumiu brevemente, mas na hora meu cérebro não absorveu completamente.
Voltei para Brasília e me lembrei desse momento. Perguntei de novo “Pri, como era o nome daquele sistema?” e ela repetiu “bullet journal”. Fui atrás e foi aí que começou minha espiral sem fim dentro do mundo dos BuJos – apelido carinhoso dos usuários do sistema, para resumir “bullet journal”.

Materiais de papelaria e bullet journal na mesa
O que é?

O bullet journal é um sistema de organização pessoal analógico inventado por um rapaz chamado Ryder Carroll que não encontrava nenhum outro método que o ajudasse a organizar tarefas e o dia a dia. Ele tinha um problema de aprendizado que o impedia de se concentrar e, logo, a rotina parecia uma bagunça. Com o tempo, ele criou o sistema Bujo com sua própria experiência – bujo como diminutivo de bullet journal.
Um Bujo é basicamente um caderno que funciona como agenda e bloco de anotações.
Mas porque não ter uma agenda ou um bloco, então? Como o BuJo começa em um caderno vazio, sem nada escrito, você é o responsável por fazê-lo da maneira que ficar melhor para a única pessoa que importa: você mesmo. Nada é pré-determinado, nada é obrigatório. O próprio criador fala isso: o que ele recomenda como montagem inicial do BuJo é uma sugestão e, se não funcionar pra você, não use.

Crie o seu. E se o que você criar também não der certo, faça outro. Quando quiser, não precisa esperar a agenda acabar, porque é tudo feito ali, todos os dias.

O bullet journal é um sistema analógico, ou seja, é papel e caneta. Existem várias dicas de gurus do Bujo para uni-lo ao digital com aplicativos como Evernote. Mas ele pode ser apenas ele, também. Ou você pode fazê-lo inteiramente no digital, quem sabe?!

Canetas do bullet journal espalhadas pela mesa
Pra que serve?
Você pode ter um Bujo para organizar as tarefas do dia a dia, para anotar ideias que surgem do nada, para escrever pequenos diários que farão você acompanhar o que acontece na sua vida, ou para manter o registro das suas atividades passadas e futuras.
Mas você pode ter um Bujo pra planejar sua alimentação semanal. Ou pra listar ideias de posts para seu blog (eu, eu!). Se quiser, faça um acompanhamento da sua perda de peso.
O Bujo serve para o que você quiser que ele sirva. E isso é lindo, não é?

Qual a diferença de Bujo pra planner?
Olha, pelo que notei por aí, não muita coisa muda de um pro outro. O planner pelo que vejo só é mais pré-pronto para o uso: já tem separações de dias, meses, de logs pra você manter sobre sua rotina, modelos imprimíveis pra você colocar no seu, etc. Eles geralmente são modelos tipo fichário/espiral exatamente pra você poder encaixar o que quiser por ali.
Já o Bujo nasce da sua mente e uma folha em branco, mais nada. Você até pode imprimir e colar coisas ali, já vi muita gente fazendo dessa forma, mas aí já me parece mais um planner que um Bujo.

Caderno de bullet journal escrito Comece seu Bujo
E como começo o meu?
Veja aí o vídeo!

Compre cadernos, canetas pra escrever, canetas pra enfeitar, e o que mais você achar que precisa. Se for um moleskine, “amacie” a costura pra ele durar mais: é só ir abrindo em vários pontos, não precisam ser muito específicos, e apertando a costura com os dedos, conforme mostrei no vídeo. Acredite se quiser, parece que você está estragando o moleskine, mas na verdade ele vai durar mais!
E daí, pra preparar cada parte do bujo, vai ser outro post, ok? Só porque ele vai ser bem maior e mais detalhado, então preciso de mais espaço pra tudo.

Beijos e vejo vocês no próximo post!

Comente(0)
Comente pelo Facebook
Comente pelo blog
Topo