Bullet Journal • 17/01/2018

#bujo – Bullet journal: Setup básico – um guia completo, parte 2

Já começamos esse papo sobre Bujo no post anterior, que você pode ler clicando aqui (com vídeo e tudo!).
Ryder demonstra a maneira de fazer o seu bullet journal de acordo com o sistema oficial, que vou chamar de clássico. Nesse post, vou mostrar como montar o seu Bujo desta forma. Depois, mostro as coisas que mudei, ou o que eu acho que funciona e o que não funciona.

Veja o vídeo e acompanhe o post abaixo!

 

 

 

Cadernos para uso como bujo
Pra começar, compre um caderno. Preferivelmente de mão, pequeno. Se conseguir encontrar o pontilhado, é o melhor. Ou pautado, como o meu. É bom que seja pequeno pois ele será seu novo objeto de uso diário. Busque os que tem aquela liga elástica que prende as capas. Capa dura ou não, tanto faz. Se quiser ser chique, a marca indicada pelos usuários do Bujo é a Moleskine, mas ela é bem cara, coisa de 100-120 reais, sendo quase um objeto de desejo. Eu comprei um caderninho da Teca que achei bem bom, por 30 reais, na papelaria uma vez. Depois adquiri meus moleskines nos EUA, e até lá eles são salgados (23 dólares num caderno?).

 

 

Canetas para usar com bujo
Compre uma caneta. Uma boa, tipo aquelas de tinta de arquivo, pretas, com a ponta que não é de bolinha. Ou use uma bic simples, tanto faz. Se você descer muito na espiral louca do vício em Bujo, como eu, compre de várias cores para enfeitar com muitas frescuras. Se você descer mais ainda essa espiral, compre canetas de caligrafia Tombow (posso estar inclusa nesse nível de vício…….).

Comece seu bullet journal. A primeira página eu optei por deixar em branco para começar em uma dupla. Se desejar, pode fazer a legenda dos ícones indicativos aqui. Eu deixei a minha página da legenda na última página do Bujo, mas é opção sua.

 

 

Legenda

Página da legenda do bujo, bullet journal
Esses ícones indicativos, os signifiers, são feitos para que a pessoa que usa o Bujo identifique com rapidez o que é aquele texto que vem a seguir: é uma tarefa (ou seja, algo que você precisa executar)? Ou um evento (que você precisa comparecer)? Ou é uma anotação (de alguma ideia que você teve)?

Pontinho – tarefa a fazer
Pontinho cruzado – tarefa concluída
> – tarefa migrada para o dia seguinte
< – tarefa migrada para outra data
Bolinha – evento
Tracinho – nota
———–
Asterisco – prioridade
! – inspiração
Olho – pesquisar

Esses indicativos até o traçado são usados diariamente, enquanto os outros são para que você escreva ao lado desses primeiros, para chamar sua atenção. Tipo:
! cupcakes de nutella com raspas de chocolate branco !

 

 

Index

Página do index do bujo, bullet journal
Ali no topo, escreva “Index”. O Index nada mais é do que o índice. Você irá preenchê-lo conforme escreve no Bujo, colocando o conteúdo e a numeração da página (que você mesmo vai escrever). O Index é importantíssimo para encontrar diversas páginas no seu Bujo. A beleza do Bujo é você ter a liberdade de escrever o que quiser na próxima página. Então se, no meio da programação semanal, você criou uma página sobre “coisas que preciso comprar para a casa”, para não perdê-la, anote no Index o número aonde ela está.
Meio autoexplicativo olhando para a foto, não?
“Maio” é quando começa o mês de maio inteiro, então marquei no Index. O que está paragrafado é porquê está dentro daquela seção que no caso é o mês de maio.

Deixe duas páginas inteiras para o Index.

 

 

Future Log

Página do future log do bujo, bullet journal
O Future Log é onde registramos eventos que acontecem mensalmente ou coisas que você já sabe que vão acontecer bem mais pra frente. Por exemplo, aniversários, casamentos, feriados ou viagens de férias.
Escreva Future Log lá em cima e divida as páginas de acordo com o número de meses do ano que você tem pela frente deixando um espaço considerável para as anotações. Então, por exemplo, dá pra dividir cada página em quatro meses, como eu fiz, ou em dois, com um traço ao meio, caso seu Bujo seja mais estreito.

 

 

Mensal

Página mensal do bujo, bullet journal
Agora entramos no planejamento mensal. Aqui inserimos compromissos do mês que já estão marcados como consultas médicas, festas, aniversários (que você copia do Future Log) ou feriados. O espaço do mês tem duas páginas geralmente: uma para o calendário e outra para uma lista de tarefas que você planeja concluir naquele mês.
Para organizar esse espaço, escreva o nome do mês no topo de duas páginas. Na primeira, do calendário, escreva o número de cada dia daquele mês. Ao lado dele, coloque a primeira letra do dia (“S”egunda, “T”erça, etc).
Essa é uma indicação do Ryder, mas como ele é americano, os nomes dos dias são mais diferentes que os nossos – em inglês, temos “S”unday, “M”onday, “T”uesday, “W”ednesday, etc. Mas em português, percebam que é bem menos intuitivo pois repetimos basicamente as mesmas letras: S, T, Q e D. Para entender que 16S é uma segunda-feira, você precisa olhar o anterior e ver que é um 15D, que só pode ser “domingo”. Apesar disso, eu utilizo essa marcação porque ainda me ajuda, mas penso em ir atrás de outra forma em português que facilite ainda mais.
Continuando: escreva ao lado o compromisso daquele dia. Se houver mais de um, dê uma resumida, e use uma barra para separar os eventos.
Na página das tarefas do mês, escreva as tarefas mais gerais que você pretende concluir naquele mês. Por exemplo, “levar roupas para ajustar na costureira”, “revisão do carro” ou “planejar viagem de férias” são bons exemplos. Tarefas mais macro. As micro ficam para o registro diário.

 

 

Diário

Página diária do bujo, bullet journal
Começamos a programar o dia a dia. Da maneira mais simples possível, que é a ensinada pelo Ryder, o registro de tarefas diárias começa com apenas a data e o dia, escritos na página.
“13/5/Sex” é suficiente. Obviamente estamos em 2018. Abaixo disso, começam as tarefas, eventos e anotações daquele dia. Use os indicativos da legenda do Ryder se eles lhe atendem bem – pontinho representa uma tarefa e, quando eu a concluo, cruzo com um x. Bolinhas são eventos que eu busco no Future Log e no Mensal, e anoto no dia correspondente para não precisar voltar sempre a esses outros.
Tente ser objetivo e sucinto na descrição das tarefas. A ideia é se lembrar dela, e não descrevê-la detalhadamente. “Lavar roupas sujas”, “buscar cartas na caixa de correios”, etc. Quando se trata de eventos ou tarefas com horários definidos, eu gosto de colocar um ponto e completar com o horário em seguida. Às vezes, coloco até o endereço, mas sempre bem resumido.
Conforme executar suas tarefas ou eventos, marque com um x. Caso a tarefa ou evento não seja mais necessária ou não vá mais ocorrer, nem naquele dia nem nunca, risque completamente.

. fazer compras no mercado.

Depois de você finalizar essa preparação básica, seu bujo já pode ser iniciado.
Mas, sinceramente, sabe o que é melhor no bujo? É que você pode simplesmente ignorar tudo o que eu coloquei aqui e fazer da maneira que fica melhor pra você. Esses conceitos e ideias do Ryder são como ele entendeu que era mais fácil pra ele e pra bastante gente que adorou o sistema. Mas se você não se sente confortável com programações mensais, não precisa fazer. Se você prefere quadradinhos ao invés de bolinhas, troque. A versatilidade é o que me chama no bujo.

Então, já começou o seu pra 2018? No próximo post sobre, vou mostrar minha organização de bujo para o ano, então fiquem ligados! 🙂

SaveSave

SaveSave

SaveSave

SaveSave

Comente(0)
Comente pelo Facebook
Comente pelo blog
Topo