ViagensBrasil • 08/09/2018

2 cafeterias para conhecer no Rio de Janeiro

O cenário de cafés especiais no Rio de Janeiro não tem sido tão abençoado quanto o de Brasília ou de São Paulo. Em Brasília por exemplo, todo mês abre uma cafeteria nova. Considerando que há bem menos habitantes no quadradinho candango do que em toda a dimensão da polvorosa cidade maravilhosa, é no mínimo estranho.
Em minhas pesquisas, encontrei algo em torno de 5 ou 6 cafeterias que trabalham com grãos especiais e métodos de extração diferentes. Comparativamente, essa mesma quantidade é o que temos na Asa Norte apenas, em Brasília.

O dia era curto e eu contava apenas com o transporte público como meu aliado, então meu passeio foi em dois cafés que muito gostei e recomendo a visita se você é fã da bebida extraída em sua máxima qualidade.

Café Secreto
Ele é realmente secreto. Quando você chegar ao endereço, vai se deparar com um portal pra um corredor dentro do prédio. É lá mesmo, pode entrar. Depois você vai andar um pouco em nesse corredor cheio de plantinhas que mais parece que você tá entrando no terreno de alguém. À esquerda, estará o café – vai ser mais fácil encontrá-lo pelas mesinhas externas e pela concentração de pessoas.
Pedidos no balcão, onde você pode perguntar quais os grãos disponíveis para métodos e no espresso. O cardápio é bem extenso tanto para bebidas cafeinadas quanto comidinhas para acompanhar.




Fui de V60 do bob-o-link, torrado em perfil escolhido pelo Isso é Café, de SP. Frutado, um cítrico de maçã verde bem suave ao final, equilibrado. O cappuccino estava perfeito, com um leite cremoso e pouco espumoso, o ideal para a bebida.


Pra encher a pança, pois já eram quase 4h que eu não comia, pedi uma tartine de pão de sourdough, com tomates confitados com alho e queijo da Serra da Canastra derretido. Sourdough é vida não é mores?
Além de um ambiente externo agradável, você pode ficar no balcão em frente ao barista ou no andar de cima. Mas esteja avisado que é tudo muito pequeno e apertado, o que definitivamente não é ruim, só é diferente.

Visite:
  • Café Secreto
    Facebook | Instagram
  • Endereço
    Rua Gago Coutinho 6, casa 8
  • Espresso – R$ 6
    Cappuccino – R$ 9,50
    Tartine de tomate e queijo canastra – R$ 15 a meia porção (na foto)

Grave Café
Mesmo há um ano em operação, eu nem havia encontrado esse lugarzinho nas minhas buscas pela internet. Só cheguei até aqui porque o Renato, barista do Secreto, me disse para ir até o Grave porque valia a pena. Confiei.
É outro lugar que, se você não prestar atenção, vai passar reto sem achar a entrada. Procure pela casinha cor de rosa, e no portão de pedra vai estar escrito/pichado “Grave Café”. Entre e siga à esquerda.


Por que Grave? Porque a cafeteria está alojada na parte de trás de um estúdio de música, that’s why. Grave porque é gravíssimo da sua parte perder esses cafezões que são servidos ali.
Parecendo o quintal de alguém muito querido e que só quer que você fique relaxado, lá você também pede no balcão, dentro da casa. Tem grãos da 4beans e da Tocaya.


O cappuccino estava excelente, cremoso, e aproveitei pra comer um brownie porque sim, né mores. Como caminhei bastante, decidi refrescar com um V60 coado no gelo, um método que é difícil de encontrar em qualquer cafeteria. Com o grão laranjeiras da 4Beans, o V60 ficou suave, bem frutado e cítrico.
O espresso com grãos Tocaya estava com perfeita finalização, daquelas de “puxa, da pra escovar os dentes com esse café todo dia?”, e notas acastanhadas.
Com uma musiquinha rolando, clima agradável, pessoas simpáticas, você pode ficar ali por algumas horas sem se tocar que a vida ta passando.

Visite:
  • Grave Café
    Facebook | Instagram
  • Endereço
    Rua Professor Alfredo Gomes 33
  • Espresso – R$ 5
    V60 coado no gelo – R$ 10
    Cappuccino – R$ 10
    Brownie – R$ 7
Comente(0)
Comente pelo Facebook
Comente pelo blog
Topo