VidaPensamentosVida • 02/01/2018

#sobrevida – O que aconteceu, 2017?

Oi 2017, tudo bem?

Você foi embora e ficou um gostinho amargo aqui, então decidi perguntar o que exatamente aconteceu pra você ter sido tão louco.

Você começou com tantas promessas, metas e objetivos. Parecia que estava indo muito bem. Mas aí veio cada mês que compõe você e, parece-me, cada um deles trouxe uma cagada nova pra eu resolver. Algo chato, algo triste, algo irritante, algo revoltante ou algo ruim. Nos círculos de amizade, na família, no trabalho, nos projetos pessoais – bem, acho que você estava revezando o direcionamento dos ataques pra não parecer birra com algum desses grupos, né?, porque não teve um que não sofreu um golpe forte nesse ano, 2017.

Uns dias atrás, eu estava muito brava com você, 2017. Mas a cada dia que se aproximava à sua partida, eu comecei a reavaliar. Eu tenho que ver você de outra forma, senão vou pirar.


Já é o segundo ano que eu faço meu Memories Jar, com o Sr. Namorado. É onde eu coloco papeizinhos anotados com acontecimentos que me deixaram feliz. Pode ser algo grande como comprar passagens pra alguma viagem, ou algo pequeno como conseguir tirar uma boa foto. Qualquer fato que tenha me feito sorrir mais do que no rosto, mas no coração.

O Memories Jar é excelente para um ano como você, 2017, que parece que foi repleto de bosta. Teve muita coisa ruim, sim, mas você me trouxe um monte de situações felizes que eu não estava enxergando, cega de raiva das coisas ruins.


Me perguntaram qual a nota eu daria pra você, 2017, e eu quis ser menos rígida, mas não posso ir contra fatos: nota 5, de 0 a 10. Eu diria que você foi mediano comigo, mas não é como se você tivesse como escolher ser menos ruim. 2017, eu não te culpo por ter sido mediano. Depois de certo tempo pensando, na verdade, tenho que agradecer pelas adversidades.

Decidi ver todos os momentos ruins como oportunidades – em cada um deles, eu aprendi uma lição que vou levar junto comigo até o fim, e na minha tenra idade de 29 anos eu acho excelente já ter aprendido essas coisas. Evito estresse mais pra frente, né?


Mesmo com as coisas chatas que você me deu, eu ganhei momentos incríveis.
Eu conheci New Orleans.
Eu aprendi mais sobre minha paixão: café.
Eu não perdi todas as fotos da viagem.
Eu fiz carinho num lobo marinho.
Eu vi o pôr do sol mais lindo da vida abraçada ao Léo em Colonia Del Sacramento.
Eu conheci Búzios com minha mãe.
Eu reconfirmei por mais um ano de adversidades que o Léo é a tampa da minha panela.
Eu levei o Freddie para uma piscina de bolinha.

Então, 2017, eu queria fazer as pazes com você pra que sua partida seja menos esquisita. Sinceramente? Estou feliz que você está indo pois estou realmente inspirada para 2018, que por mim vai ser muito melhor. Mas vou evitar te criticar por aí e dizer que você foi um dos piores anos da minha vida – vou parar, juro.

Você foi mais do que isso e você me ensinou muita coisa. Obrigada por ter existido, afinal, sem você, eu não ia conseguir chegar até meu futuro que vai ser melhor, com certeza.

Comente(2)
Comente pelo Facebook
Comente pelo blog
  1. Fernanda
    em 08 de janeiro de 2018 - 17h32

    Ah, Juliana…Se 2017 tivesse sido ruim só para você…Nem te conheço, mas posso afirmar que eu também achei um ano horrível (assim como grande parte dos meus amigos). Que a conjunção astral melhore em 2018!!! Feliz Ano Novo!!!

    • em 09 de janeiro de 2018 - 22h24

      Fernanda, eu vi muita gente satisfeita com 2017. Mas nem pra todo mundo foi flores, né? Espero que 2018 seja melhor pra nós!

Topo